Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \07\UTC 2011

Eu não havia acordado muito bem. Era sábado e durante a semana tive dificuldades para dormir, o que me causou um acúmulo de mau humor.

O programado era que o relógio despertasse 3 horas depois do costume dos dias úteis. Mas, a vizinha por algum motivo acordou em festa. Não obstante o fato de ser um sábado ensolarado, eu ainda buscava motivos para que a senhorita da casa ao lado me despertasse com o som alto, música alegre que dizia em seu refrão algo como “hoje eu só quero é me divertir”.

Sim, mas a trilha que eu pretendia ouvir naquela manhã era a “hoje eu só quero é dormir!”

Virei- me para um lado, virei- me para o outro. Mas, o lençol ao contrário de me abraçar, parecia estar me empurrando para fora da cama. Desisti, levantei sem ânimo para me espreguiçar e ao invés de um “bom dia vida!”, um resmungo assim meio torto saiu da minha boca que mal se animava a mostrar o sorriso amarelo.

Devem ter sido menos do que uns 10 passos, o suficiente para o meu mau humor colher os seus frutos. Quando eu pensei em me olhar, desastradamente e com aquele toque de mãos nada delicado tomado pela força dos meus ânimos, derrubei o espelho que estava pendurado na parede, na intenção de ajeitar acabei por lançá- lo aos pedacinhos no chão.

– Sete anos de azar!

É o que eu diria se eu fosse uma supersticiosa, mas já me bastava o fato de ter insônias de vez em quando.

Tudo bem, o espelho poderia ser substituído. E como eu havia acordado antes do tempo estimado, resolvi ir comprar outro. Chegando à loja avistei alguns enfileirados, do tamanho que eu desejava e com o preço atrativo. Entusiasmada com a praticidade com que eu havia encontrado o espelho, dei um passo mal calculado e para a minha surpresa esbarrei de maneira trágica na moldura de um deles, o que implicou na queda de 2 espelhos daquela fileira.

Foram mais 14 anos! 2 espelhos caídos e demolidos no chão.

O vendedor tentando amenizar a minha vergonha, disse- me: São 14 anos de sorte!

E eu, fragilizada com a semana cansativa e com os olhos prontos para chorar, resolvi rir. Não havia outra saída.

Passado o susto, escolhi um espelho inteiro e o levei pra casa. Não precisei pagar pelos os que caíram, pois o suporte que os sustentava é que estava com defeito.

Voltando para casa, a trilha sonora da vizinha ainda estava animada. A música que tocava, um refrão que soava algo como “coloca a sua melhor roupa e vem pra festa”, conseguiu me arrebatar um sorriso que no começo era de deboche, mas que depois já tinha o mesmo ritmo que os meus pés, que estavam acompanhando a melodia da música.

Pendurei o espelho na parede. Na verdade, já estava na hora de comprar um novo. E já estava na hora de aprender a lidar com as insônias da vida.

– 21 anos de sorte!

É o que me permiti acreditar. E também me permiti esquecer a semana que foi cansativa pelas noites que não dormi direito e as manhãs que acordei com o corpo dolorido.

O nosso problema é esse. E não venha me dizer que você também não faz isso, mesmo que seja raro. Algo ruim nos acontece no começo do dia e ainda vamos dormir reclamando disso, a menos que algo de extraordinário nos aconteça não nos esquivamos do motivo que nos aborreceu.

Eu estava mal humorada pelo fato de não ter dormido direito durante a semana, mas não percebia que eu acordava todos os dias com o sol entrando pelo quarto, já me dizendo bom dia.

É preciso também saber interpretar a vida, ter uma percepção positiva e também mais realista.

E aquele sábado que estava programado para o meu sono de beleza acabou sendo um motivo para boas risadas. Ampliei o meu gosto musical, redecorei o meu quarto e ainda tirei um cochilinho depois do almoço. Afinal de contas, 21 anos de sorte não é pra qualquer um!

 

Sofia

 

 

 

 

Anúncios

Read Full Post »