Feeds:
Posts
Comentários

Você sabe realmente o que você quer?

São tantas variáveis, tantas questões de personalidade… a resposta é tecida pela trajetória de vida de cada um.

Cada um sabe o que não quer, o que quer, e sabe de suas indecisões e divagações.

Mas, tem algo que intuitivamente posso afirmar que sei todos querem…

Todos querem a “Liberdade”, deve ser uma herança que vem de nossa primeira geração.

 

Buscamos a Liberdade fora e dentro de nós,

Experimentamos um pouco dela,

A confundimos,

Mas não sei se há meios de vivê-la em plenitude.

Talvez seja um estado de espírito,

Ou uma trama que tem seu enredo composto por um jogo de manipulação e inocência…

 

Poderia a Liberdade ser a Paz entre o Ambiente Interno e o Ambiente Externo do Homem.

 

E o que você quer?

Eu quero muito, quero o que a minha alma de tão vasta pode acolher, e chegar o mais próximo do real significado da palavra que alimenta e da qual temos tanta fome…

 

– LIBERDADE!!!!!!!!!

 

Sofia

 

Anúncios


“Que nossos corações estejam em festa!!!”

ENATAL

Saudades de quando eu não sabia que parte significativa do Natal para as pessoas é “Contas a pagar”.

Caminhando pelo centro da cidade, assim como outras pessoas que procuravam um presente para comprar, pensei nesta imagem promissória que o mundo capitalista criou para esta data. Sim, época de presentes, logo “época do consumo”.

Não quero me passar por hipócrita e dizer que não gosto desta troca de agrados, pelo contrário, é tão bom saber que alguém comprou algo pensando em você e da mesma maneira escolher algo pensando em agradar o outro.

Mas ao mesmo tempo, eu penso naqueles que não tem a oportunidade de se incluir nesta dinâmica econômica. Penso no pai que não pode presentear os seus filhos e nas crianças que são privadas do brilhinho no olhar de ganhar uma lembrancinha do Papai Noel.

Se nossa cultura deu ao Natal esta imagem vinculada tão fortemente ao Consumismo, o seu efeito é que a desigualdade social consiga também privar muitos de vivenciar uma época que deveria ter importância espiritual.

Em contrapartida, lembro das manifestações caridosas que ocorrem neste período. Pessoas arrecadando recursos para distribuir à esta parte da população. E na caridade de pessoas que se reúnem para levar um pouco de alegria ao próximo e de incluí-los neste Natal Capitalista é que enxergo o verdadeiro sentido do Natal, que é a manifestação de algo que tocou os nossos corações. O Natal é uma época de reflexão, um balanço que nos é proporcionado para pensar mais com o coração.

 

Sofia

 

Pela manhã me encantei com uma imagem cotidiana, era um casal que estava à minha frente andando de mãos dadas. Eu fiquei olhando a mão dele sobre a dela, cobrindo-lhe tão carinhosamente. Tenho certeza de que eu vejo essa imagem muitas vezes durante o meu dia, mas não estou em uma daquelas situações onde o observador sente- se carente ao ver o mundo apaixonado ao seu redor, e talvez por isso estes casais me passem despercebidos.

Achei bonito, mas sem sensações de ansiedade ou carência. Não que eu seja inabalável, mas estou em um momento de acreditar nas razões do Tempo.

O amor acontece!

Pode parecer piegas, mas eu acredito no amor!

 

Sofia

 

Ele vai ligar?

Romântica à moda antiga, nasci pra ser cortejada. Este cortejo é simples, tem que ter respeito, atenção, entre as manifestações de carinho mais comuns. É preciso ter vários primeiros encontros pra tocar aqui no meu coração.

Mas, desprevenida, não sabia que o encanto surgiria assim, na primeira vez em que eu o vi. Um encanto tão despretensioso, que não me vinha à imaginação que um dia… depois de meses…

Nos encontraríamos…

– Um beijo!!!

Espera aí, o mundo realmente parou! E não é que parecia que eu estava em um sonho. E sonhos, sabem como é, passam muito rápido.

Quando eu me despedi, já sabia e disse pra mim mesma:

– Ele não vai ligar.

Meu lado otimista reagiu:

– Mas, por que está pensando assim? Deixe de lado estas incertezas e seja feliz.

Respondi à mim mesma:

– Ser feliz, eu vou. Mas, tenho certeza de que ele não vai ligar por um motivo certeiro, ele não pegou o meu telefone!

Sofia

Quem nunca se sentiu nesta…

Quadrilha

João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou pra tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

                                                    ???                                                            Quando lemos a citação acima escrita com as palavras de outro autor fica mais fácil compreender estes desencontros por quais passamos. É preciso passar por olhares não correspondidos, por beijos não dados, por esperas momentâneas com cara de eternas e até pelo desconforto de não poder retribuir um carinho recebido da mesma maneira… é preciso passar por todos estes desencontros de interesses para que haja o encontro. Talvez este encontro não seja com o outro, mas com você mesmo.

“Eu sei que o meu sorriso é muito mais importante para ele do que para outros,

Assim como a risada do outro me encanta mais do que as outras para quem ele sorri,  

E deixo que isto aconteça naturalmente, sem cenas trágicas

Vivo a emoção de me encantar e de encantar mesmo que ainda não seja em um encontro.”

    

Sofia